terça-feira, maio 04, 2010

UM SOLTO _ LOUCO_ NO VENTO

Eu tinha um homem,
atado a corrente
por pura vontade

[dizia, todo o santo dia,
é pra sempre]

Num dia de ventania
Soltei por caridade

ele, de um pulo só,
me abocanhou
na jugular

[sem titubear]

antes de sumir
no escuro da cidade

Coitada da próxima
que acreditar
no olhar tão triste
dentro da cara
fingida

[é chamariz]

e abrigar
por bondade
o infeliz

tá é phodida

(Elza Fraga)

2 comentários:

Lara Amaral disse...

Elza, adoro seu humor poético, suas metáforas. Vc é demais, moça!

Beijo.

Elza Fraga disse...

Oi, Lara
Eu gosto do poema bem humorado, mesmo que conte histórias tristes.
Até a desgraça tem lá a sua graça, rsrs.
Bitokitas .