domingo, setembro 13, 2009

ALGUÉM ME ROUBOU A CENA

 .
Sentada a beira do fio
o frio quebrando o osso
na cara só  desconforto
estampado no vazio

a vida passando a frente
correndo com um fastio
de desmoronar vivente
nas farpas do precipicio

eu de protagonista
desta miséria indecente
nem dona do meu nariz

ainda

espero o excedente
olhando a margem da vida
pois tudo que agora existe

 finda


Sempre tem um
bem mais torto
que as torturas da gente
e aparece gemente
com muito mais desvario
nesta seara terrena
e nos tira do holofote
nos joga fora da arena

e rouba a nossa cena.

(Elza Fraga)

3 comentários:

Adriana Karnal disse...

Elza, se é para roubar umacena triste, então q faça...

Elza Fraga disse...

Rsrsrs, isso aí, Adriana, que se roubem as cenas tristes, só as tristes.
Bitokitas e até final de outubro.

daufen bach. disse...

é minha cara amiga!
os cães ladrama, a caravana passa e a gente fica com cara de besta. fazer o que né?... ara! seguir né!?

lindo teu poema!