terça-feira, fevereiro 20, 2007

ATEMPORAL

.
[Não nasci e não morro, fico em forma de poesia.
O tempo só assusta a quem o desafia.]

A vida que escorre e passa
rodopiando ao vento
não me traz o sentimento
do medo da cavalgada
do tempo...

Nasci sem forma ou idade,
sem data de validade,
a minha identidade
é ser mata no temporal!

Árvore no chão fundida
podando as marcas vividas
estranha e atemporal.

Não trago mágoas da vida
na pele que vim vestida
listrada de bem e mal

em igual
medida.

(Elza Fraga)

Um comentário:

Kiara Guedes disse...

As boas palavras vêm assim, no vento. E são sempre mesmo os bons ventos que me trazem até aqui pra que eu possa vera palavra sendo otimizada. Li outro dia que todo bom pensamento que é solto na Terra encontra uma resposta. De mim, tens como resposta minha admiração pelos teus bons pensamentos traduzidos por palavras. Beijo Grande!